Debate sobre cortes nas taxas de juro: como reagirá a Fed, o BCE e o BoE?

Janeiro 22, 2024 02:46

As taxas de juro têm chamado muita atenção no último ano e meio, à medida que os bancos centrais de todo o mundo as aumentaram para contrabalançar o efeito da inflação que influencia os orçamentos e os gastos dos consumidores.

Como o aumento dos custos dos empréstimos parecia controlar as pressões inflacionárias nas maiores economias, o debate sobre os cortes nas taxas de juro começou com alguns economistas a sugerir que provavelmente vamos assistir a vários cortes nas taxas vindos da Reserva Federal dos EUA (Fed), do Banco Central Europeu (BCE) e o Banco da Inglaterra (BoE).

No entanto, os dados que mostram a resistência económica nos EUA, no Reino Unido e na Zona Euro parecem fazer recuar as previsões relativas aos cortes nas taxas. Neste artigo terá a oportunidade de ler as atualizações relacionadas com as suas políticas monetárias.

Cortes nas taxas da Reserva Federal: otimismo sob controlo

A disparidade entre as expectativas do mercado e as ações projetadas do banco central dos EUA em matéria de taxas de juro em 2024 coloca em causa os valores futuros dos ativos. Alguns analistas sugerem que a Fed poderá prosseguir com cortes de 140-150 pontos base até ao final deste ano. Contudo, a acta de Dezembro da Fed implicava que os custos dos empréstimos poderiam ser reduzidos em 75 pontos base durante o mesmo período.

O conselho da Fed estimou no seu Resumo das Projecções Económicas de Dezembro que a sua taxa de juro de referência seria reduzida em 250 pontos base até ao final de 2026. Alguns economistas observam que a principal diferença entre as projecções da Fed e as expectativas do mercado é o ritmo a que os cortes nas taxas aconteceria.

O CEO da Goldman Sachs (GS), David Solomon, disse aos repórteres da CNBC presentes na 54ª Reunião Anual do WEF em Davos que “o mercado está claramente a avançar para uma posição de muitos cortes. Não há dúvida de que fizemos muitos progressos em relação à inflação.” Comentando sobre o optimismo do mercado relacionado com futuros cortes nas taxas, Solomon acrescentou: “Acho que é difícil para mim ver a visão do mercado de sete cortes este ano. Acredito que há uma possibilidade razoável de alguns cortes nas taxas de juro este ano, alguma flexibilização. Mas realmente vai depender do que os dados dizem.”

O presidente da Reserva Federal (Fed) de Atlanta, Raphael Bostic, nos seus comentários proferidos na Câmara do Comércio de Atlanta, disse que “a linha de base é para reduções nas taxas em algum momento do terceiro trimestre, mas é necessário cuidado para não cortar muito cedo ou arriscar uma nova espiral de preços .” Bostic, membro do Comité Federal de Mercado Aberto (FOMC) da Fed, observou que os cortes nas taxas poderão ocorrer antes de julho, mas apenas se houver "evidências convincentes" de que a inflação está a abrandar mais rapidamente do que o esperado.

Decisores políticos do BCE recuam expectativas de corte de taxas de juro

A inflação global caiu na zona euro devido à política monetária rigorosa implementada pelo BCE, com a inflação subjacente a ser mais resiliente. A inflação permanece acima da meta do BCE, com a economia da Alemanha, a maior do bloco, a lutar para evitar a recessão.

Uma sondagem da Reuters, publicada em 18 de Janeiro, mostrou que 38 dos 85 economistas previam um corte nas taxas de juro em Julho. Na mesma sondagem, 21 preveem um corte nas taxas em Abril, enquanto 23 não prevêem uma mudança na política monetária antes do terceiro trimestre de 2024 e mais além. Relatórios de mercado mostraram que os analistas esperam um corte total de 150 pontos base nas taxas durante este ano.

Contudo, alguns membros do Conselho do BCE opõem-se aos apelos “agressivos” de flexibilização provenientes dos participantes no mercado. Por exemplo, o chefe do banco central austríaco, Robert Holzmann, disse aos repórteres da CNBC: “Não consigo imaginar que falaremos sobre cortes ainda, porque não deveríamos falar sobre isso. Tudo o que vimos nas últimas semanas aponta na direção oposta, por isso posso até não prever nenhum corte este ano.”

Durante uma discussão na Bloomberg House em Davos, a líder do BCE, Christine Lagarde, foi questionada sobre potenciais cortes nas taxas e como o banco central da zona euro poderia reagir às novas condições económicas, uma vez que a inflação caiu nos últimos meses. Lagarde respondeu que os custos de financiamento do BCE podem ter atingido o pico, ao mesmo tempo que enfatizou a confiança do banco nos dados económicos ao tomar decisões. O responsável do BCE sugeriu que “os mercados demasiado optimistas não ajudam o BCE a combater a inflação. Estamos optimistas de que temos uma perspectiva credível de um regresso da inflação a 2% em 2025, mas ainda há muito a correr bem para que isso aconteça.”

BoE: entre a espada e a parede

A economia do Reino Unido foi atingida por valores de inflação recorde durante os anos anteriores, colocando pressão sobre os orçamentos dos consumidores, uma vez que levou os preços a níveis nunca vistos há muitos anos. O conselho de administração do BoE reagiu aumentando as taxas de juro para controlar a inflação, dificultando as coisas para as pessoas que tentam pagar os seus empréstimos.

A implementação de uma política monetária rigorosa reduziu os números da inflação, mas os valores dos rendimentos médios continuam a crescer. Em Dezembro, dados publicados pelo Gabinete de Estatísticas Nacionais (ONS) mostraram que a inflação subiu inesperadamente para 4%, enquanto os analistas de mercado esperavam uma queda para 3,8% numa base anual.

Um relatório da BNN Bloomberg sugeriu que “os mercados monetários estão agora a favorecer quatro reduções das taxas de um quarto de ponto do BOE e vêem apenas a probabilidade de 1 a 3, em 5, em 2024, de acordo com os swaps ligados às reuniões do banco central”.

Um relatório do J.P. Morgan sobre a economia do Reino Unido sugeriu que o BoE poderia começar a reduzir as taxas de juro em Agosto deste ano, devido à queda da inflação e ao optimismo relacionado com uma 'aterragem' suave. Economistas do JP Morgan previram um total de cortes nas taxas de 75 pontos base até o final de 2024, acrescentando que “a ótica de mesmo um breve episódio de inflação abaixo da meta provavelmente colocará pressão adicional para que este (BoE) comece a cortar este ano.”

Cortes nas taxas de juro e trading com a Admirals

Embora o debate sobre o corte das taxas de juro continue, alguns traders principiantes podem pensar que seria uma boa altura para construir uma estratégia de trading e tirar partido das flutuações observadas em alguns instrumentos financeiros. No entanto, os traders iniciantes podem não ter o nível de conhecimento necessário para projetar e executar as estratégias que desejam.

Os traders principiantes podem considerar atualizar os seus conhecimentos de trading para reduzir o efeito da falta de experiência. Isso pode ser feito lendo artigos e tutoriais de procedimentos relacionados ao trading, assistindo a webinars em que traders experientes partilham informações importantes ou até mesmo registando-se em cursos educativos disponibilizados pelas corretoras.

Os traders iniciantes também podem aprender como usar ferramentas de gestão de risco. Estas ferramentas ajudam os traders a reduzir os seus riscos ao executar as suas estratégias de trading. Ferramentas de gestão de risco, como a ordem de stop loss e a ordem de take-profit, estão disponíveis gratuitamente nas plataformas mais populares, para que os traders iniciantes possam aproveitar as suas vantagens quando usadas ​​corretamente.

Operar com uma Conta Demo sem risco

Tem interesse em colocar em prática o seu trading sem arriscar o seu dinheiro? Uma conta de trading de demonstração da Admirals permite-lhe fazer exatamente isso, praticar num ambiente virtual com condições de mercado realistas. Clique no banner abaixo para abrir uma conta demo ainda hoje:

Negoceie com uma Conta Demo sem risco

Pratique trading com fundos virtuais

Este material não contém e não deve ser interpretado como conselhos de investimento, recomendações de investimento, uma oferta ou solicitação de quaisquer transações em instrumentos financeiros. Tenha em atenção que esta análise de trading não é um indicador fiável de qualquer desempenho atual ou futuro, uma vez que as circunstâncias podem mudar ao longo do tempo. Antes de tomar qualquer decisão de investimento, deve procurar aconselhamento de consultores financeiros independentes para garantir que compreende todos os riscos.

Miltos Skemperis
Miltos Skemperis Redator de conteúdo financeiro

Miltos Skemperis tem formação em jornalismo e gestão empresarial. Trabalhou como repórter em vários canais de notícias de televisão e jornais, e tem 7 anos de experiência na redação de conteúdo financeiro.