Operar com Peso Chileno: O que saber

Setembro 30, 2023 01:43

O Chile é um dos países da América Latina (LATAM) com uma história política interessante, mas isso não o impediu de ser uma das economias em ascensão na região. O Chile parece destacar-se do resto das economias da América Latina, embora a sua história monetária também tenha sido volátil no passado. Operar com o peso chileno (CLP) em relação às principais moedas, como o dólar americano, não é incomum para os traders que adicionam moedas da América Latina às suas carteiras de trading.

Vamos partilhar alguns pontos de vista interessantes sobre o peso chileno e a economia chilena que podem ajudá-lo a formar uma opinião e decidir se deseja incluir a moeda nas suas estratégias de trading.

Peso chileno e quem é quem na economia chilena

O Chile é um dos líderes económicos da região LATAM. Deve-se notar que o Chile é o maior produtor de cobre do mundo e contribui significativamente para a produção global de lítio, sendo o segundo maior produtor.

O Banco Mundial afirma que “o Chile tem um histórico reconhecido de desenvolvimento, com forte dinamismo económico nas últimas décadas. No entanto, o crescimento tem vindo a abrandar, estagnando a produtividade e o progresso na equidade. A inflação poderá permanecer elevada no curto prazo, dada alguma inércia, mas prevê-se que convirja para o objetivo até ao final de 2024, num contexto de hiato do produto negativo e de diminuição das pressões sobre os custos.»

De acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), “a economia chilena aproxima-se do fim do seu ciclo de ajustamento rumo a um crescimento mais sustentável e a uma inflação mais baixa num ambiente externo desafiador. As autoridades estão a implementar políticas muito fortes para preservar a estabilidade macroeconómica e reconstruir as reservas. O governo tem ambições de reforma para aumentar as receitas fiscais, reduzir a desigualdade, reformar as pensões e os cuidados de saúde, bem como promover uma economia verde.”

Os analistas da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) observaram num relatório sobre a economia chilena que “o défice do governo central será de 2,0% do PIB em 2023 e de 2,1% do PIB em 2024, o que não ameaçará a sustentabilidade da dívida. O banco central continuou a apertar a política para conter a inflação e controlar as expectativas de inflação, elevando a taxa diretora para 11,25% e prometendo mantê-la nesse nível até que haja uma convergência clara da inflação em direção à meta.”

Acrescentaram também que “o PIB real irá contrair 0,1% em 2023, mas recuperar 1,9% em 2024. A retirada das medidas de apoio relacionadas com a pandemia e as condições monetárias restritivas irão travar o consumo e o investimento durante 2023, mas estes efeitos deverão diminuir no início 2024.”

As estatísticas divulgadas em meados de Agosto mostraram que a economia do Chile contraiu durante três trimestres consecutivos, com uma queda significativa nos investimentos. O relatório indicou uma contração do PIB de -1,1% entre abril e junho de 2023, numa base anual. Economistas consultados pelo banco central em agosto estimavam uma queda do PIB de -0,50% até o final do ano. Se esta previsão se concretizar, o Chile será um dos poucos países da América Latina a apresentar estatísticas de crescimento negativas em 2023.

Banco Central do Chile e o Peso Chileno

O Banco Central do Chile (Banco Central de Chile) foi criado em 1925. Um dos objetivos do Banco Central do Chile é garantir a estabilidade da moeda, ou seja, manter a inflação baixa e estável ao longo do tempo. O Banco promove também a estabilidade e a eficiência do sistema financeiro, garantindo o normal funcionamento dos pagamentos internos e externos. Segundo o seu site, o Banco Central do Chile “adotou um regime de política monetária com metas de inflação e uma política de taxa de câmbio flutuante. A meta estabelecida neste regime é que a inflação anual (medida como a variação percentual do IPC ao longo de um período de 12 meses) permaneça na maior parte do tempo em torno de 3%, com um intervalo de tolerância de +/- 1%.”

O peso chileno é emitido pelo banco central e está em circulação desde 1975 na sua versão atual. O peso chileno foi autorizado a flutuar dentro de uma faixa móvel entre 1974 e 1979 e depois disso foi associado ao dólar americano a uma taxa de câmbio fixa durante os três anos seguintes. Em 1984, o peso chileno voltou a um sistema de faixas rastejantes ajustáveis ​​até 1999, quando foi autorizado a flutuar livremente em relação ao dólar americano.

Operar com o peso chileno e o seu desempenho

O desempenho do Peso Chileno face ao Dólar Americano desde 2018 tem sido influenciado por factores económicos, particularmente flutuações nos preços do cobre, e esforços para manter a estabilidade face a pressões externas.

Fonte: Admirals MetaTrader 5 - Gráfico Mensal USD CLP. Intervalo: 1 de outubro de 2017 a 28 de setembro de 2023. Registo: 28 de setembro de 2023. O desempenho passado não é um indicador de resultados futuros.

O par dólar dos EUA em relação ao peso chileno permaneceu relativamente estável durante um período, mas enfrentou desafios quando o preço do cobre, um produto de exportação crucial para o Chile, caiu. Esta queda impactou negativamente o peso chileno, fazendo com que ele enfraquecesse em relação à moeda dos EUA.

Fonte: Admirals MetaTrader 5 - Gráfico Diário USD CLP.
Intervalo: 6 de junho de 2023 a 28 de setembro de 2023. Registo: 28 de setembro de 2023. O desempenho passado não é um indicador de resultados futuros.

Em Julho de 2023, o Banco Central do Chile anunciou a redução mais forte da taxa dos últimos 14 anos, com uma queda de 100 pontos base, de 11,25% para 10,25%, o que ajudou o dólar americano a fortalecer-se face ao seu homólogo chileno.

Previsões para o peso chileno e a economia

Os analistas cambiais do ING afirmaram num relatório divulgado no início de Setembro que o Chile embarcou num grande ciclo de flexibilização monetária. “O banco central do Chile deu seguimento à sua flexibilização de 100 pontos base em Julho com um corte de 75 pontos base nas taxas em Setembro. A taxa diretora é agora de 9,50%. As expectativas foram orientadas para que a taxa directora seja reduzida para 7,75/8,00% até ao final do ano, com reuniões em Outubro e Dezembro. Estão sendo feitos cortes confiantes nas taxas com base no fato de que as expectativas de inflação para dois anos estão estáveis ​​em 3%. No entanto, a inflação subjacente ainda se encontra actualmente acima dos 8%. Se o núcleo não cair tão rapidamente quanto o esperado e o banco central ainda assim cortar, o CLP poderá ser mais duramente atingido. O ambiente externo não tem sido favorável às moedas latino-americanas. Mas se estivermos certos com a nossa opção de dólar, o par USD/CLP pode cair ainda este ano”, observaram.

Em meados de Setembro, os analistas da Morgan Stanley pareciam optimistas em relação às obrigações do Chile em euros e em dólares dos EUA, citando “valorizações baratas em comparação com a maioria dos nomes com grau de investimento, a sua falta de emissão esperada no curto prazo e uma recuperação contínua no seu cenário macro”. O risco político também diminuiu, disseram eles, com o governo forçado a reduzir os planos de aumento de impostos.”

Um relatório do Wells Fargo afirma que o banco central do Chile pode estar a cortar as taxas de juro de forma mais agressiva do que os mercados financeiros esperavam. Mais especificamente, os analistas do Wells Fargo sugeriram que “os decisores políticos no Chile e no Brasil parecem sentir-se suficientemente confortáveis ​​em flexibilizar agressivamente a política monetária. Como resultado, estamos a rever em baixa a nossa previsão para a taxa directora do Banco Central do Chile, para reflectir a posição dos decisores políticos, e acreditamos agora que a meta da taxa overnight chilena pode cair para 7,25% até ao final deste ano.

Gestão de risco ao operar peso chileno

Operar o peso chileno, assim como qualquer outra moeda no mercado cambial, envolve riscos. Embora as ações certas possam aproximá-lo de tornar seus sonhos financeiros realidade, as ações erradas podem custar caro e se tornar um fardo quando se trata de seus planos financeiros. Ser um trader iniciante significa que pode não conhecer os perigos de navegar em mercados voláteis.

Existem maneiras de preencher a lacuna com traders mais experientes; um deles é a formação. Estudar como funciona o trading e os seus fundamentos custará algum tempo, mas poderá economizar algum dinheiro no longo prazo. Agora deve estar a perguntar-se o que precisa para começar a estudar? Tudo o que você precisa é de acesso a materiais educativos, como guias de procedimentos, videos, e-books e artigos sobre trading preparados por traders experientes. As corretoras oferecem acesso a centros de aprendizagem para que não lhe faltem recursos.

Mais uma forma de reduzir os riscos durante o trading é utilizar ferramentas de gestão de risco incorporadas nas plataformas de trading. Ao utilizar estas ferramentas e torná-las parte da sua estratégia, você poderá economizar alguns dos fundos arduamente ganhos se os mercados se moverem contra os seus planos. Aprenda a usar ferramentas de gestão de risco, como ordens stop-loss, que podem ajudá-lo a minimizar a ansiedade e o estresse ao executar as suas estratégias de trading.

Tem interesse em operar com base em notícias macroeconómicas? Saiba como esta abordagem funciona com os nossos webinars gratuitos. Conheça e interaja com traders especializados. Assista e aprenda com as sessões de trading em direto.

Webinars grátis sobre trading

Acompanhe os webinars em direto feitos pelos nossos especialistas em trading

Este material não contém e não deve ser interpretado como conselhos de investimento, recomendações de investimento, oferta ou solicitação de quaisquer transações em instrumentos financeiros. Observe que esta análise de trading não é um indicador confiável para qualquer desempenho atual ou futuro, pois as circunstâncias podem mudar com o tempo. Antes de tomar qualquer decisão de investimento, deve procurar aconselhamento de consultores financeiros independentes para garantir que compreende os riscos.

Miltos Skemperis
Miltos Skemperis Redator de conteúdo financeiro

Miltos Skemperis tem formação em jornalismo e gestão empresarial. Trabalhou como repórter em vários canais de notícias de televisão e jornais, e tem 7 anos de experiência na redação de conteúdo financeiro.