Como Investir na Pfizer - Será Saudável para o Futuro Comprar Ações Pfizer?

Junho 01, 2021 11:13 UTC
Tempo de leitura: 15 minutos

Este artigo destina-se a uma compreensão integrada de quem é a Pfizer e qual o motivo porque tem dado que falar há quase dois séculos. Analisaremos as origens e evolução da empresa, assim como o seu estado atual e o que poderá estar nas cartas para o seu futuro. 

A Pfizer revolucionou o cenário da produção de fármacos à larga escala e foi também pioneira no seu posicionamento estratégico no mercado. Será rentável apostar em ações Pfizer em 2021 ou deverá “vacinar-se” contra este gigante?


Pfizer - Investimento de mil passos 

A Pfizer foi fundada em 1849 por Charles Pfizer e Charles Erhart, unindo as credenciais de Pfizer enquanto químico e da mestria de Erhart em confecção. A empresa nasceu na qualidade de uma simples refinaria de químicos em Brooklyn mas valer-se-ia da Guerra Civil dos EUA (1862) para ganhar tração, acompanhando o trend do ramo da farmacêutica em geral, diversificando assim o seu leque de produtos por forma a satisfazer a enorme procura de anti-sépticos e analgésicos.

O caos e inflação decorrentes da Guerra Civil dos EUA colocou a Pfizer numa posição privilegiada face à concorrência, permitindo-lhe diversificar as suas áreas de atividade, mas seria a sua produção/distribuição de ácido cítrico que lhe permitiriam estabelecer parcerias com empresas como a Coca-Cola e Dr. Pepper, sendo este químico fulcral para estas emergentes (à data) produtoras de refrigerantes. 

Em 1906, Emil Pfizer torna-se o presidente da empresa mantendo essa posição durante 34 anos. Este foi o período em que a Pfizer experienciou o seu maior crescimento, desenvolvendo métodos inovadores na produção de vitaminas (C, B2, B12) e na descoberta do processo de fermentação de penicilina. A Pfizer caiu nas “boas graças” do governo dos EUA com a sua produção em massa da penicilina que viria a suportar as tropas dos Aliados durante a 2ª Guerra Mundial. Parece existir aqui um padrão… 

Chegamos então à Pfizer “moderna” no início da década de 50, quando a produção de antibióticos se tornou comum. Seria neste momento que a Pfizer se expandiria internacionalmente, sitiando-se em 9 outros países, e pela primeira vez na história, criando um departamento comercial e representantes de vendas. Conforme constataremos, e constatamos nos dias de hoje, isto seria um pau de dois gumes para a Pfizer e para a indústria farmacêutica como um todo.

Se deseja aprofundar o seu conhecimento, capacidade de análise e negociação de mercados financeiros, recomendamos que descarregue a plataforma de trading MetaTrader5. Poderá criar uma conta de Teste Gratuita, livre de riscos e com abundantes funcionalidades! Clique no banner que se segue para iniciar o download:

Pfizer - Investir em Aquisições/Produtos

  • Pfizer - Investir em Merging

Da década de 50 em diante o nome Pfizer não mais aludiria meramente a uma refinaria de químicos. O leque de produtos disponibilizados ao público por parte da Pfizer contava entre as suas fileiras fármacos, produtos dedicados à pecuária, químicos refinados e até mesmo perfumes. Pelas suas palavras a Pfizer definia que: “os seus interesses estendiam-se agora de comprimidos a perfumes, passando pela petroquímica e até mesmo produtos para animais”.

O sempre presente investimento em R&D (research and development) associado à Pfizer tomou também novas dimensões, destacando em particular a aquisição da Roerig - empresa dedicada à especialização em suplementos nutricionais - e o estabelecer da Sandwich no Reino Unido, numa tentativa de ganhar independência de raiz na produção de medicamentos, assim como o de “fugir” às pesadas taxas e impostos em vigor nos EUA (decisão polémica que se tornaria um comportamento recorrente por parte da Pfizer). 

A investigação e desenvolvimento de novos produtos acarretaria enormes lucros à Pfizer, e em 1942 iniciaria a sua jornada na bolsa de valores disponibilizando 240 mil ações a investidores públicos. A Pfizer deixou bem claro desde início que almejava obter a supremacia do ramo da farmacêutica, sendo a vertente de “aquisições” de outras empresas associadas ao ramo (assim como dos seus produtos) uma das suas tácticas principais no ataque a esse objetivo. 

Entre os seus merges contam-se a aquisição da Taito, Mack Illertissen, Warner-Lambert (90 biliões de dólares), Pharmacia Corporation, Wyeth, UpJohn, Medivation, Hospira e a Array (48 dólares por ação). A Pfizer tentou mesmo adquirir a AstraZeneca em 2014 por 118 biliões de dólares mas tal proposta foi recusada. Se cimentada, esta aquisição faria da Pfizer a maior farmacêutica do mundo.

Em 2015, a Pfizer tentou realizar o merge por 160 biliões de dólares com a empresa irlandesa Allergan, tentando mais uma vez ludibriar o Governo dos EUA e beneficiar os seus acionistas com reduções de custos. Com tantas aquisições, produtos e serviços, e mais de 100 mil empregados, a Pfizer é a 49ª maior empresa do mundo com um market cap de cerca de 200 biliões de dólares.

O preço das Pfizer stock denotou um crescimento exponencial da década de 90 (2,73$ PPA) até ao virar do milénio (45$ PPA) que reflete este seu crescimento. Crescimento esse superior a 1600%, derivado tanto por força da liberalização dos mercados assim como das crescentes facilidades de acesso por investidores ditos “comuns”.

A Pfizer viria a ser incorporada no índice Dow Jones and Co. em 2004, e ao longo da última década tem vindo a apresentar receitas superiores a 50 biliões de dólares por ano fiscal.

Se deseja acompanhar e negociar stocks Pfizer, ou qualquer um dos 8000 instrumentos financeiros que a Admiral Markets disponibiliza para si, sem o risco de perder o seu investimento, basta abrir hoje uma conta DEMO. Para abrir a sua conta DEMO com a Admiral Markets, basta clicar na imagem que se segue:

  • Pfizer - Produtos

Desde 2006 que a Pfizer elege para a posição de CEO indivíduos com formação e experiência em advocacia. Uma tomada de posição sadia para uma empresa frequentemente envolvida em processos legais, desde administração de drogas não aprovadas em pacientes, espionagem empresarial e roubo de propriedade intelectual. A Pfizer chegou mesmo a ter de pagar a exorbitante quantia de 2 biliões de dólares em restituições, em 2009.

Embora não sem mácula, a Pfizer detém alguns dos nomes mais reconhecidos a nível mundial no que toca a produtos da indústria farmacêutica, tais como:

  • Zoloft 
  • Xanax 
  • Viagra
  • Listerine
  • Advil
  • EpiPen
  • Lipitor(mais vendido de sempre - $9,6B/2011)

Sabendo que a Pfizer se encontra no top 10 mundial das maiores empresas no campo da farmacêutica, não será de estranhar que muitos dos produtos que comercializa sejam fatalmente reconhecidos. A Pfizer revelou sagacidade no seu posicionamento estratégico no mercado, não só através dos meios de comunicação social e marketing para a difusão dos seus produtos, como também nos avultados custos em que incorreu em lobbying. 

Falamos de 23 milhões de dólares em contribuições para campanhas políticas e aprovações legislativas durante a era Obama. Estima-se que entre 1999 e 2018 a Pfizer tenha despendido cerca de 220 milhões de dólares em despesas de lobbying, colocando-a na 6ª posição de empresas mais “gastadoras” com Washington.

  • Pfizer - Vacina Covid-19

As stock Pfizer não passaram incólumes à especulação e incerteza que afetou o mercado da bolsa de valores motivada pela pandemia decorrente do vírus Covid-19. No seu caso concreto, as stock Pfizer estiveram sob atenção redobrada, uma vez que a FDA lhe concedeu as credenciais para desenvolver a vacina BNT162b2 em conjunto com a BioNTech. O optimismo da vacinação elevou a stock Pfizer para um valor de 43$. No entanto, após o desenvolvimento de vacinas por parte das suas empresas competidoras, o boost de optimismo inicial esbateu-se no início do ano de 2021.

As afirmações por parte do seu CEO, Albert Bourla, de que existe a possibilidade da população necessitar de ser vacinada anualmente contra o vírus Covid-19 (em particular se surgirem novas estirpes do vírus), e de que a empresa perspetiva vendas para 2021 na ordem dos 15 biliões de dólares gerou reacções polarizantes nos seus investidores. Enquanto uns manifestaram cepticismo, outros tantos manifestaram entusiasmo face aos possíveis lucros e valorização das stock Pfizer.

Ainda que a vacina BNT162b2 se encontre numa fase embrionária, e o globo, a par dos mercados e investidores, se encontre a aguardar pelo desenlace da pandemia, a Pfizer é detentora da patente para a vacina com a maior receita de mercado - a Prevnar 13 - totalizando anualmente receitas na ordem dos 7 biliões de dólares.

Ações Pfizer - Análise Financeira da Pfizer

Hoje, a Pfizer é a empresa por detrás de um vasto leque de produtos/tratamentos que visam o bem estar e saúde da população mundial mas, em contraste, as ações Pfizer vêm a comportar-se como se de uma verdadeira montanha russa se tratassem, o que deixou céticos alguns dos seus investidores a longo prazo.

As ações Pfizer mantiveram-se estáveis durante grande parte da sua história na bolsa de valores. Desde a sua incorporação em mercado, em 1944, até à década de 90, as ações Pfizer sofreram poucas oscilações. A análise do seu comportamento em mercado terá que ser sempre realizada de forma trifásica:

Fonte: Tradingview, (#PFE) - gráfico mensal. Intervalo de dados: 2 de Junho de 1986 a 23 de Março de 2021. Elaborado a 23 de Março de 2021. Observe que o desempenho passado não é um indicador confiável de resultados futuros.

1 - Da década de 90 até aos anos 2000, a trajetória das ações Pfizer foi crescente, quase vertiginosa. Isto deveu-se aos elevados lucros reportados pela empresa e aos lançamentos de fortes produtos que adquiriam um mediatismo icónico. O lançamento do Viagra e a aquisição da patente para o Lipitor (após a aquisição em 2000 da Warner-Lambert) renderam à Pfizer lucros na ordem dos 335 biliões de dólares entre 1990 e 2004. As ações Pfizer valorizaram 1600% neste período, realizando a empresa stock splits por 4 ocasiões, atingindo o seu máximo histórico de 47,44$. Números alucinantes que lhe valeram a introdução no índice DowJones.

2 - É notório uma clara desvalorização nas ações Pfizer de 2004 em diante. Os investidores acusaram frequentemente a empresa de se “encostar à sombra da bananeira” e de abandonar a procura de inovações, valendo-se exclusivamente das suas vendas de Lipitor. A “bolha” do mercado imobiliário americano, a par do forte criticismo e processos legais que a empresa enfrentou à época, não favoreceram em nada o valor das ações Pfizer que atingiriam o seu valor mínimo em Fevereiro de 2009, com um PPA de 11$ e uma correspondente capitalização de mercado de 82,75 biliões de dólares.

3 - O abandonar de alguns dos seus projetos de 2009 em diante, viu um renascer das cinzas das ações Pfizer. A empresa chegou inclusivamente a distribuir pelos seus investidores ações da Zoetis (NYSE:ZTS), para que se dedicasse aos seus produtos para tratamentos humanos. A aquisição em 2015 da Hospira foi também um passo importante na recuperação da confiança dos seus acionistas.

Fonte: MetaTrader 5 da Admiral Markets, (#PFE) - gráfico semanal. Intervalo de dados: 12 de Abril de 2020 a 23 de Março de 2021. Elaborado a 23 de Março de 2021. Observe que o desempenho passado não é um indicador confiável de resultados futuros.

O período referente à pandemia do vírus Covid-19 causou fortes oscilações nas ações Pfizer. A instabilidade inerente a toda a economia causou incerteza e especulação desmesurada. Tendo em conta que a Pfizer se trata de uma empresa por excelência para uma pandemia, seria de esperar que as suas ações manifestassem alta volatilidade. 

A aquisição da licença para utilização urgente da vacina BNT162b2, concedida pela FDA, e a parceria entre a Pfizer e a BioNTech para o desenvolvimento da mesma, colocaram a Pfizer próxima do seu máximo histórico em Dezembro de 2020. As ações Pfizer chegaram a atingir os 43$ de PPA para uma capitalização de mercado de 228,5 biliões de dólares. À data de elaboração do artigo as ações Pfizer encontram-se a ser negociadas a 35,5$ num momento em que o mundo e os mercados parecem aguardar pelas indicações de governos e múltiplos poderes vigentes.

Olhando aos valores recentes das ações Pfizer, estas têm vindo a ser negociadas a um valor de apenas 13,7x superior ao perspectivado para a sua receita de 2021 (valor de PE), sendo este montante facultado sem considerar ainda potenciais vendas de vacinas Covid-19. Um facto a considerar por qualquer investidor que se preze, uma vez que a Pfizer espera crescer na casa dos duplos duplos este ano e de forma fiável a longo prazo.

Desconsiderando vendas das vacinas Covid-19, a Pfizer prevê que a sua receita cresça 6% anualmente, ou mais, até 2025. A empresa encontra-se já lançada para ir de encontro a esta previsão para 2021, sem contabilizar ainda potenciais lucros decorrentes da pandemia. 

Se as ações Pfizer forem impactadas por potenciais vendas decorrentes da pandemia, é por demais evidente que a Pfizer arrecadará avultados lucros extra para perpetuar a distribuição de dividendos pelos seus acionistas. As ações Pfizer oferecem já dividendos trimestrais na ordem dos 4,5% ao preço corrente (35$), o que significa que se poderão tornar num excelente ativo para ter no seu portfólio, em especial se for um investidor de value ou se aprecia o conceito de lucros passivos.

Pfizer Stock - Conclusão 

A mera escala da infraestrutura, historial e oferta de produtos por parte da Pfizer, é suficiente para concluir que o seu empreendimento tem alicerces fortes no passado e infindáveis oportunidades de expansão futura. Embora atravesse neste momento um período de considerável incerteza, as stock Pfizer são um ativo financeiro a não menosprezar. 

Quer seja pela procura incessante dos seus produtos pela população mundial, quer pelos dividendos que frequentemente distribui pelos seus investidores, a garantia é de que as stock Pfizer celebrarão o seu 200º aniversário numa posição tão prestigiada como celebraram os seus últimos 160 anos de existência.

Comece hoje mesmo a negociar as suas Ações e ETFs favoritos com a Admiral Markets:

Sobre a Admiral Markets

INFORMAÇÕES SOBRE MATERIAIS ANALÍTICOS:

Aviso: Os dados fornecidos fornecem informações adicionais sobre todas as análises, estimativas, prognósticos, previsões ou outras avaliações ou informações similares (doravante "Análise") publicadas no website da Aglobe Investments Ltd. Antes de tomar qualquer decisão de investimento, preste muita atenção ao seguinte:

  1. Esta é uma comunicação de marketing. A análise é publicada apenas por motivos informativos e não é construída sob a forma de aconselhamento ou recomendação de investimento. Não foi elaborado de acordo com os requisitos legais destinados a promover a independência da pesquisa de investimento, e que não está sujeito a qualquer proibição de lidar com a disseminação da pesquisa de investimento.
  2. Qualquer decisão de investimento é tomada por cada cliente, enquanto que a Aglobe Investments Ltd não será responsável por qualquer perda ou dano decorrente de tal decisão, com ou sem base no conteúdo.
  3. Com o objetivo de proteger os interesses dos nossos clientes e a objetividade da Análise, a Aglobe Investments Ltd estabeleceu procedimentos internos relevantes para a prevenção e gestão de conflitos de interesse.
  4. A Análise é preparada por um analista independente, com base nas suas estimativas pessoais.
  5. Embora sejam feitos esforços razoáveis para garantir que todas as fontes do conteúdo sejam confiáveis ​​e que todas as informações sejam apresentadas, tanto quanto possível, de maneira compreensível, oportuna, precisa e completa, a Aglobe Investments Ltd não garante a precisão ou integridade de qualquer informação contida na Análise.
  6. Qualquer tipo de desempenho de instrumentos financeiros, passado ou modelado, indicado no conteúdo, não deve ser interpretado como uma promessa, garantia ou implicação expressa ou implícita pela Aglobe Investments Ltd para qualquer desempenho futuro. O valor do instrumento financeiro pode aumentar ou diminuir e a preservação do valor do ativo não é garantida.
  7. Produtos alavancados (incluindo os contratos por diferença) são de natureza especulativa e podem resultar em perdas ou lucros. Antes de começar a negociar, certifique-se de compreender totalmente os riscos envolvidos.
André Gomes
André Gomes Criador de Conteúdo

Trader e estudioso de mercados financeiros. Considera a inter-independência, autodidatismo e literacia financeira como ferramentas essenciais para o sucesso. Especialização na área de Medicinas Holísticas.