Inflação, Desinflação ou Deflação: O que saber?

Agosto 12, 2023 01:52

Na quinta-feira, o Bureau of Labor Statistics dos EUA divulgou os últimos dados de inflação dos EUA, com a inflação anual a subir para 3,2%. Este comunicado seguiu-se à notícia na quarta-feira do Bureau Nacional de Estatísticas da China de que a inflação anual na China tornou-se negativa, caindo para -0,3%.

Ouvimos muito sobre o aumento dos preços no último ano, mas o que acontece quando a inflação fica negativa? E por que é que os economistas a temem mais do que uma inflação alta e positiva? Continue a ler para descobrir.

O que é Inflação?

Embora muitos possam não estar muito familiarizados com o conceito de inflação há alguns anos atrás, a maioria de nós agora pode recitar a definição de inflação durante o sono.

A inflação mede a taxa na qual os preços estão a subir dentro de uma economia durante um período de tempo. Consequentemente, a inflação também pode ser vista como a taxa na qual o dinheiro está a perder o seu poder de compra.

O que é Deflação?

A deflação é o oposto da inflação, que ocorre quando há uma queda dos preços gerais de uma economia e, consequentemente, aumento do poder de compra.

É importante não confundir este conceito com desinflação, que se refere a uma queda na taxa de inflação e está a acontecer atualmente em muitas das economias avançadas do mundo. A desinflação ocorre quando os preços estão a subir, mas a uma taxa em que estes estão a subir cada vez menos.

Por exemplo, em junho, a taxa anual de inflação no Reino Unido caiu para 7,9%, abaixo dos 8,7% do mês anterior. Este é um caso de desinflação. Embora os preços ainda estejam a subir anualmente, a taxa em que estes estão a subir, diminuiu.

A deflação ocorre quando os preços estão realmente a cair durante um período de tempo e é ilustrada pela inflação negativa, como na China no início desta semana. A queda dos preços pode parecer ótima na primeira impressão, mas não é necessariamente o caso. Na verdade, a maioria dos economistas teme mais a deflação do que a inflação. Mas porquê?

Por que a deflação é temida?

Então, o que há de errado com a deflação? Certamente a queda dos preços beneficia os consumidores, que comprarão mais e impulsionarão um maior crescimento económico? Estes são pontos lógicos e, no curto prazo, uma queda temporária dos preços pode trazer benefícios para uma economia.

No entanto, se a deflação se consolidar e os preços continuarem a cair durante um período prolongado de tempo, os problemas começarão a surgir. A queda dos preços levará a uma receita menor para as empresas, pois estas recebem menos dinheiro para produzir e vender a mesma quantidade de bens e serviços.

À medida que a receita cai, as empresas precisam de economizar custos, o que pode levar a reduções salariais e, em última análise, cortes de empregos. A queda dos salários e o aumento do desemprego resultarão numa redução da procura agregada, pois os consumidores terão menos dinheiro para gastar. Considerando tudo o resto constante, esta queda na procura acabará por reforçar o efeito de queda sobre os preços.

Além disso, se os preços estiverem a cair, isso pode levar os consumidores a adiar as compras sempre que possível, na esperança de que essas compras sejam mais baratas no futuro. Por exemplo, se pretende comprar um carro, mas sabe que, daqui a um ano, o carro estará mais barato, você pode estar inclinado a adiar a compra.

Além da queda da procura reforçar o efeito de queda dos preços, o consumo é o componente mais importante do Produto Interno Bruto (PIB) de uma economia, que mede o crescimento económico. Consequentemente, a deflação pode levar à queda do consumo, ao aumento do desemprego e, eventualmente, à contração do crescimento económico.

Por que os preços estão a cair na China?

Enquanto muitos países do mundo lutam contra o aumento dos preços, os preços na China estão a mover-se na direção oposta. Mas porquê?

Quando muitas das economias avançadas do mundo emergiram das restrições da era pandémica, a oferta lutou para acompanhar o aumento da procura, o que levou ao aumento dos preços. Então a Rússia invadiu a Ucrânia, o que fez com que os preços da energia disparassem e, consequentemente, a inflação disparasse.

No entanto, o caso da China é bem diferente.

À medida que as campanhas de vacinação foram implementadas com sucesso e muitos países reabriram os seus negócios, a China seguiu em frente com a sua política estrita de Covid-zero, mantendo a procura doméstica um tanto reprimida. Após um período de agitação social no final de 2022, a China abandonou esta política restritiva, levando à tão esperada reabertura da economia chinesa.

No entanto, a grande reabertura até agora foi completamente abaixo do esperado. Não apenas a procura doméstica permaneceu fraca, mas as exportações também estão a cair, o que pressionou os preços para baixo.

E os preços da energia? Bem, enquanto os países ocidentais foram rápidos em evitar as exportações russas de petróleo e gás em resposta à guerra na Ucrânia, a China adotou a abordagem oposta. Após a invasão russa da Ucrânia, a China aumentou as importações de energia barata da Rússia, garantindo que permaneçam protegidas dos altos preços globais.

Inflação vs Deflação

Normalmente, a deflação é vista como pior para a economia do que a inflação, com os bancos centrais visando ativamente uma taxa de inflação baixa e estável de cerca de 2%.

A razão para esta meta é que uma baixa taxa de inflação é realmente benéfica para a economia, pois incentiva uma certa quantidade de consumo em detrimento da poupança. Maior consumo leva a maiores receitas para as empresas, maior emprego e maior crescimento económico. No entanto, a inflação, sem dúvida, torna-se problemática quando fica muito alta, como tem acontecido no último ano.

Embora a inflação baixa e estável possa ser positiva para uma economia, a deflação em qualquer escala é geralmente vista como negativa e pode ser particularmente difícil de recuperar, conforme evidenciado pelo Japão nas últimas duas décadas.

O impacto potencialmente negativo da deflação no consumo, no emprego e no crescimento económico é o motivo pelo qual os bancos centrais e os economistas tendem a temê-la mais do que a inflação. Por esse motivo, após os dados de inflação de quarta-feira, é provável que haja mais pedidos para que Pequim tome medidas decisivas e intervenha na sua economia gaguejante.

Webinars de trading e investimento

Tem interesse em aprender mais sobre trading e investimento? Na Admirals, realizamos webinars regularmente onde pode interagir com traders especializados e aprender sobre uma ampla variedade de tópicos de forma absolutamente gratuita! Clique no banner abaixo para consultar a próxima programação:

Webinars grátis sobre trading

Acompanhe os webinars em direto feitos pelos nossos especialistas em trading

Este material não contém e não deve ser interpretado como conselhos de investimento, recomendações de investimento, oferta ou solicitação de quaisquer transações em instrumentos financeiros. Observe que esta análise de trading não é um indicador confiável para qualquer desempenho atual ou futuro, pois as circunstâncias podem mudar com o tempo. Antes de tomar qualquer decisão de investimento, deve procurar aconselhamento de consultores financeiros independentes para garantir que compreende os riscos.

Roberto Rivero
Roberto Rivero Escritor Financeiro, Admirals, Londres

Roberto passou 11 anos a projetar sistemas de trading e tomada de decisão para traders e gestores de fundos e mais 13 anos na S&P, a trabalhar com investidores profissionais.